DOI:https://doi.org/10.3232/GCG.2015.V9.N1.04

Análisis de la homogeneidad de indicadores sociales de los países de América Latina y el Caribe

Pedro Ylunga Costa da Silva, Ilse Maria Beuren, Raquel Wille Sarquis, Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima

Resumen

Este estudio analiza el nivel de homogeneidad entre los indicadores sociales publicados por los países miembros de la Comisión Económica para América Latina y el Caribe. Se analizaron los indicadores sociales de lo período de 2010-2012 proporcionados por el Instituto Brasileño de Geografía y Estadística de 18 de los 44 países miembros, con la aplicación del Análisis de Correspondencias. Los resultados muestran que las variables seleccionadas se agrupan en dos dimensiones, calidad de vida y la calidad nutricional. Se identificaron cuatro grupos con características homogéneas en el mapa perceptual de categorías de las variables y cuatro grupos de países con características similares en sus indicadores sociales en el mapa perceptual de los objetos por países.

Vistas: 958
Descargas PDF (Português (Brasil)): 1178

 

Referencias


Banco Mundial. 2012. Relatório Anual de 2012. Recuperado em 11 fevereiro, 2014, de http://siteresources.worldbank.org/EXTANNREP2012/Resources/8784408-1346247477142/AnnualReport2012_Pt.pdf

Baumann, R. 1996. Uma visão econômica da globalização. In: Baumann, R. (org.). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Campus, Sobeet. pp 33-51.

Beuren, I. M., & Almeida-Santos, P. S. 2013. Relação entre a transparência e a reputação governamental. Revista de Globalizacion, Competitividad y Gobernabilidad, 7(3), pp. 89-102.

Beuren, I. M., & Macedo, F. F. R. R. 2014. Relación entre composición del gasto público y crecimiento económico de los países de América Latina. Invenio (Rosario), 17/18(1), pp. 65-88.

Bezerra Jr, W. F. 2001. Comércio internacional e os blocos econômicos. Adcontar, 2(1), pp. 7-10.

Bruneau, J., & Machado, H. 2006. Empreendedorismo nos países da América Latina baseado nos indicadores do Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Panorama Socioeconómico, 24(33), pp. 18-25.

Cabral, J. P. C., & Burginski, V. M. 2011. Desemprego e informalidade na Argentina: uma análise das diretrizes e recomendações da OIT e da Cepal para geração de trabalho e renda à população juvenil. Revista Textos & Contextos, 10(2), pp. 227-243.

Carvalho, D. F. 2010. A crise financeira dos EUA e suas prováveis repercussões na economia global e na América Latina: uma abordagem pós-minskyana. Anais do Encontro da Associação Keynesiana Brasileira, São Paulo, SP, Brasil, 3.

Carvalho, H. 2004. Análise multivariada de dados qualitativos: utilização da Homals com SPSS. Lisboa: Edições Silabo.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. 1983. Metodologia científica (3. ed.). São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal). 2014. Nações Unidas no Brasil. Recuperado em 11 fevereiro, 2014, de http://www.onu.org.br/onu-no-brasil/cepal/

Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal). 2011. Desafios do desenvolvimento econômico e social de América Latina e o Caribe. Elaborado por: Antônio Prado, Secretário Executivo Adjunto da Cepal-Code. Recuperado em 16 fevereiro, 2014, de http://www.cepal.org/noticias/paginas/1/39501/2011.11.25-desafios-desenvolvimento.pdf

Costa, G. G. O. 2012. Análise de homogeneidade dos países da América Latina quanto a indicadores sociais. Anais do Simpósio de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 15.

Fávero, L. P., Chan, B. L., Silva, F. L., & Belfiore, P. P. 2009. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, Campus.

Fernandes, L.1995. Os fundamentos da ofensiva neoliberal. Princípios, 94(39), pp. 16-20.

Hausmann, R., & Rodrik, D. 2003. Economic development as self discovery. Journal of Development Economics, 72(2), pp. 603-633.

Ianni, O. 1996. Teorias da globalização (3. ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Instituto Brasileiro de Economia (IBRE). 2013. Conjuntura Econômica: Carta do IBRE - a melhora nos indicadores sociais da América Latina. Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://mansueto.files.wordpress.com/2013/02/02ce2013_carta_do_ibre.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2014. Banco de dados: países. Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://www.ibge.gov.br/paisesat/main_frameset.php

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. 2007. Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas.

Mesa-Lago, C., & Vidal-Alejandro, P. 2010. The impact of the global crisis on Cuba’s economy and social welfare. Journal of Latin American Studies, 42(4), pp. 689-717.

Nardi, E. L. 2010. Descentralização na gestão e autonomia da escola: orientações da Cepal para a reorganização institucional da educação. Roteiro, 35(2), pp. 205-230.

Organização das Nações Unidas (ONU-Habitat). 2013. Estado de las ciudades de América Latina y el Caribe: rumbo a una nueva transición urbana. Recuperado el 16 febrero, 2014, de http://www.onuhabitat.org/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=362&Itemid=538

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. 2000. Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS (2. ed.). Lisboa: Edições Silabo.

Pohlmann, M. C. 2009. Análise de conglomerados. In: Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias Filho, J. M. Análise multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2003. Rumo ao objetivo do milênio de reduzir a pobreza na América Latina e o Caribe. Elaborado com a colaboração da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://www.cepal.org/publicaciones/xml/8/12728/lcg2188p.pdf

Rezende, M. J. 2008. Os objetivos de desenvolvimento do milênio e as ações voluntárias: em questão os esforços individuais e o processo de individualização. Convergência [online], 15(48), pp. 105-135.

Saenz, T. W., & Paula, M. C. S. 2002 Considerações sobre indicadores de inovação para América Latina. INCI [online], 27(8), pp. 430-437.

Santagada, S. 2007. Indicadores sociais: uma primeira abordagem social e histórica. Pensamento Plural, 1(1), pp. 113-142.

Staats, J. L., & Biglaiser, G. 2012. Foreign direct investment in Latin America: the importance of judicial strength and rule of law. International Studies Quarterly, 56 (1), pp. 193-202.

Schrader, A. 2002. Comparação internacional: mensuração em pesquisas multinacionais. In: Neves, C. E. B.; Sobotka, E. A. (orgs.). Métodos de pesquisa social empírica e indicadores sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS. pp 47-53.

Soares, L. T. 2002. O avanço da política social no Rio Grande do Sul frente ao retrocesso neoliberal no Brasil. In: Soares, L. T. (org.). Tempo de desafios: a política social democrática e popular no governo do Rio Grande do Sul. Petrópolis/RJ: Vozes. Vol. 1. pp 15-26.

Teixeira, J. C., Gomes, M. H. R., & Souza, J. A. 2012. Associação entre cobertura por serviços de saneamento e indicadores epidemiológicos nos países da América Latina: estudo com dados secundários. Revista Panamericana de Salud Pública, 32(6), pp. 419-425.





Con el mecenazgo de
Universia
Avda. de Cantabria, s/n - 28660, Boadilla del Monte
Madrid, España