Análisis de la homogeneidad de indicadores sociales de los países de América Latina y el Caribe

Resumen

Este estudio analiza el nivel de homogeneidad entre los indicadores sociales publicados por los países miembros de la Comisión Económica para América Latina y el Caribe. Se analizaron los indicadores sociales de lo período de 2010-2012 proporcionados por el Instituto Brasileño de Geografía y Estadística de 18 de los 44 países miembros, con la aplicación del Análisis de Correspondencias. Los resultados muestran que las variables seleccionadas se agrupan en dos dimensiones, calidad de vida y la calidad nutricional. Se identificaron cuatro grupos con características homogéneas en el mapa perceptual de categorías de las variables y cuatro grupos de países con características similares en sus indicadores sociales en el mapa perceptual de los objetos por países.

https://doi.org/10.3232/GCG.2015.V9.N1.04
PDF (Português (Brasil))

Citas

Banco Mundial. 2012. Relatório Anual de 2012. Recuperado em 11 fevereiro, 2014, de http://siteresources.worldbank.org/EXTANNREP2012/Resources/8784408-1346247477142/AnnualReport2012_Pt.pdf

Baumann, R. 1996. Uma visão econômica da globalização. In: Baumann, R. (org.). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Campus, Sobeet. pp 33-51.

Beuren, I. M., & Almeida-Santos, P. S. 2013. Relação entre a transparência e a reputação governamental. Revista de Globalizacion, Competitividad y Gobernabilidad, 7(3), pp. 89-102.

Beuren, I. M., & Macedo, F. F. R. R. 2014. Relación entre composición del gasto público y crecimiento económico de los países de América Latina. Invenio (Rosario), 17/18(1), pp. 65-88.

Bezerra Jr, W. F. 2001. Comércio internacional e os blocos econômicos. Adcontar, 2(1), pp. 7-10.

Bruneau, J., & Machado, H. 2006. Empreendedorismo nos países da América Latina baseado nos indicadores do Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Panorama Socioeconómico, 24(33), pp. 18-25.

Cabral, J. P. C., & Burginski, V. M. 2011. Desemprego e informalidade na Argentina: uma análise das diretrizes e recomendações da OIT e da Cepal para geração de trabalho e renda à população juvenil. Revista Textos & Contextos, 10(2), pp. 227-243.

Carvalho, D. F. 2010. A crise financeira dos EUA e suas prováveis repercussões na economia global e na América Latina: uma abordagem pós-minskyana. Anais do Encontro da Associação Keynesiana Brasileira, São Paulo, SP, Brasil, 3.

Carvalho, H. 2004. Análise multivariada de dados qualitativos: utilização da Homals com SPSS. Lisboa: Edições Silabo.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. 1983. Metodologia científica (3. ed.). São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal). 2014. Nações Unidas no Brasil. Recuperado em 11 fevereiro, 2014, de http://www.onu.org.br/onu-no-brasil/cepal/

Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal). 2011. Desafios do desenvolvimento econômico e social de América Latina e o Caribe. Elaborado por: Antônio Prado, Secretário Executivo Adjunto da Cepal-Code. Recuperado em 16 fevereiro, 2014, de http://www.cepal.org/noticias/paginas/1/39501/2011.11.25-desafios-desenvolvimento.pdf

Costa, G. G. O. 2012. Análise de homogeneidade dos países da América Latina quanto a indicadores sociais. Anais do Simpósio de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 15.

Fávero, L. P., Chan, B. L., Silva, F. L., & Belfiore, P. P. 2009. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, Campus.

Fernandes, L.1995. Os fundamentos da ofensiva neoliberal. Princípios, 94(39), pp. 16-20.

Hausmann, R., & Rodrik, D. 2003. Economic development as self discovery. Journal of Development Economics, 72(2), pp. 603-633.

Ianni, O. 1996. Teorias da globalização (3. ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Instituto Brasileiro de Economia (IBRE). 2013. Conjuntura Econômica: Carta do IBRE - a melhora nos indicadores sociais da América Latina. Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://mansueto.files.wordpress.com/2013/02/02ce2013_carta_do_ibre.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2014. Banco de dados: países. Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://www.ibge.gov.br/paisesat/main_frameset.php

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. 2007. Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas.

Mesa-Lago, C., & Vidal-Alejandro, P. 2010. The impact of the global crisis on Cuba’s economy and social welfare. Journal of Latin American Studies, 42(4), pp. 689-717.

Nardi, E. L. 2010. Descentralização na gestão e autonomia da escola: orientações da Cepal para a reorganização institucional da educação. Roteiro, 35(2), pp. 205-230.

Organização das Nações Unidas (ONU-Habitat). 2013. Estado de las ciudades de América Latina y el Caribe: rumbo a una nueva transición urbana. Recuperado el 16 febrero, 2014, de http://www.onuhabitat.org/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=362&Itemid=538

Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. 2000. Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS (2. ed.). Lisboa: Edições Silabo.

Pohlmann, M. C. 2009. Análise de conglomerados. In: Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias Filho, J. M. Análise multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2003. Rumo ao objetivo do milênio de reduzir a pobreza na América Latina e o Caribe. Elaborado com a colaboração da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Recuperado em 12 janeiro, 2014, de http://www.cepal.org/publicaciones/xml/8/12728/lcg2188p.pdf

Rezende, M. J. 2008. Os objetivos de desenvolvimento do milênio e as ações voluntárias: em questão os esforços individuais e o processo de individualização. Convergência [online], 15(48), pp. 105-135.

Saenz, T. W., & Paula, M. C. S. 2002 Considerações sobre indicadores de inovação para América Latina. INCI [online], 27(8), pp. 430-437.

Santagada, S. 2007. Indicadores sociais: uma primeira abordagem social e histórica. Pensamento Plural, 1(1), pp. 113-142.

Staats, J. L., & Biglaiser, G. 2012. Foreign direct investment in Latin America: the importance of judicial strength and rule of law. International Studies Quarterly, 56 (1), pp. 193-202.

Schrader, A. 2002. Comparação internacional: mensuração em pesquisas multinacionais. In: Neves, C. E. B.; Sobotka, E. A. (orgs.). Métodos de pesquisa social empírica e indicadores sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS. pp 47-53.

Soares, L. T. 2002. O avanço da política social no Rio Grande do Sul frente ao retrocesso neoliberal no Brasil. In: Soares, L. T. (org.). Tempo de desafios: a política social democrática e popular no governo do Rio Grande do Sul. Petrópolis/RJ: Vozes. Vol. 1. pp 15-26.

Teixeira, J. C., Gomes, M. H. R., & Souza, J. A. 2012. Associação entre cobertura por serviços de saneamento e indicadores epidemiológicos nos países da América Latina: estudo com dados secundários. Revista Panamericana de Salud Pública, 32(6), pp. 419-425.